Elementos tipicamente homéricos: uma análise do canto XVIII da Ilíada

CANTO XVIII da Ilíada

A FEITURA DAS ARMAS

Resumo do canto: Aquiles, o Pelida, toma conhecimento, enfim, da morte do companheiro Pátroclo, com o que se desespera. Tétis, mãe do Peleio, vem consolá-lo, juntamente com todas as outras nereides do oceano, e lhe promete uma nova armadura, para que possa retornar ao combate. As maneiras de Aquiles espantam os Teucros, que fogem assustados com seu aspecto; por sua vez, os Aquivos lastimam a perda do amigo. Ao final, Tétis vai até a casa de Hefesto para pedir-lhe a nova armadura do filho; o deus se dispõe a fazê-la e o canto termina com uma descrição bela e minuciosa do escudo de Aquiles.

Ilíada

Um dos primeiros entre os elementos típicos da literatura homérica a ser reconhecido neste canto é o epíteto (cf. verso 18), que aparece no desígnio de Aquiles pelo nome de “Pelida”, que significa “filho de Peleu”, pois o sufixo -ida determina filiação (assim, Pelida = filho de Peleu, Tidida = filho de Tideu, Nestórida = filho de Nestor, Atrida = filho de Atreu, etc.) O epíteto é um recurso utilizado para evitar a repetição do nome próprio, mas também para atribuir qualidades aos personagens que os caracterizem, além de possibilitar ao aedo uma sonoridade e repetição que proveem conforto maior para a oralidade com que essa literatura era composta. Diversos epítetos estão presentes na obra de Homero, como Agamémnone, rei poderoso; Hera, de olhos bovinos; Febo Apolo; entre outros.

Outro elemento recorrente que está no canto XVIII é o catálogo, presente entre os versos 39 e 49, utilizado para evocar todas as nereides que cercam Tétis e se juntam a ela em seus lamentos pela morte de Pátroclo. Esse recurso utilizado pelo aedo se vale da enumeração de vários nomes, em sequência, muitas vezes acrescidos dos seus respectivos epítetos, como em “Cimódoce, a amiga das ondas” (cf. verso 39). O autor brasileiro João Guimarães Rosa também utiliza essa técnica para a composição de passagens de Grande Sertão Veredas, como ilustra a passagem abaixo, na qual o autor enumera os companheiros de Riobaldo:

Permeio com quantos, removido no estatuto deles, com uns poucos me acompanheirei, daqueles jagunços, conforme que os anjos-da-guarda. Só quase a boa gente. Sendo que são, por todos, estes: Capixum – caboclo sereno, viajado, filho dos gerais de São Felipe; Fonfredo – que cantava todas as rezas de padre, e comia carne de qualidade nenhuma, e que nunca dizia de onde era e viera; o que rimava verso com ele: Sesfredo, desse já lhe contei; o Testa-em-Pé, baiano ladino, chupava muito; o Paspe, vaqueiro jaibano, o homem mais habilidoso e serviçal que já topei nesta minha vida; Dadá Santa-Cruz, dito “o Caridoso”, queria sempre que se desse resto de comida à gente pobre com vergonha de vir pedir; o Carro-de-Boi, gago, gago. O Catocho, mulato claro – era curado de bala. Lindorífico, chapadeiro minasnovense, com mania de aforrar dinheiro. O Diolo, preto de beiço maior. Juvenato, Adalgizo, o Sangue-de-Outro. Ei, tantos; para que que eu fui querer começar a descrever? Dagobé, o Eleutério, Pescoço-Preto, José Amigo

Também está presente no canto XVIII o objeto significativo (cf. verso 82), que aparece com a perda da armadura de Aquiles para Heitor, sendo que se constituía não apenas num objeto utilitário ou de grandeza material, mas como um presente dos deuses para Peleu, como se pode ver em sua conversa com a mãe (cf. versos 81 e 85). A armadura, assim como o cetro de Agamémnone e a taça de Nestor, é um objeto significativo por ter forte ligação com os eternos e ser entre os mortais símbolo de grande valor.

Além desses, é possível identificar diversos símiles (cf. versos 161 a 164). Essa fórmula é usada pelo aedo para comparar elementos da natureza, muitas vezes animais ou formações como montanhas e mares, aos heróis da narrativa e seus feitos. No símile exemplificado, Heitor é comparado a um leão do qual os Ajazes, comparados por sua vez a pastores, tentam sem sucesso, repelir da presa – no caso, o cadáver de Pátroclo.

Mais à frente (cf. versos 343 a 353), há também a cena da limpeza do corpo de Pátroclo, que exemplifica a relação cultural dos Aqueus com seus mortos. A partir da cena, podemos observar a relevância que davam à prestação de honras ao morto, pela forma como o limpam, unguem, e passam a noite a lamentar sua morte ao redor de seu cadáver, numa demonstração forte de ternura e reverência pelo guerreiro e por seus feitos.

Posteriormente, quando se dá a descrição do escudo que Hefesto forja para o filho de Tétis, muitas características fundamentais da cultura dos Dânaos são ilustradas. Uma delas, de grande importância para aquela sociedade, era a dança, a qual aparece representada no escudo mais de uma vez (cf. versos 569 a 572 e versos 593 a 604), sendo um importante meio de união para o povo grego. Também neste último verso há menção à figura do aedo, o cantor das epopéias antigas ー no caso, o próprio Homero, referindo-se a si mesmo ー, que aparece no escudo cantando “ao som da cítara” (cf. verso 605) e é colocado, por seu epíteto, no patamar de divindade.

Assim, apenas no canto XVIII, podemos encontrar um número considerável de recursos da literatura homérica, como epíteto, catálogo, objeto significativo e símiles, além de fragmentos da cultura grega como a homenagem aos mortos e a importância que se dava à dança. Vários desses itens podem ser também encontrados em outros trechos da Ilíada e da Odisseia, e são até hoje utilizados por autores que retomam essa tradição nas suas construções literárias.

Referência:

HOMERO. Ilíada. Trad. Carlos Alberto Nunes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s