“Azul” – seis poemas inéditos de Daniele Gomez

Ouriço – de Bruna Emanuele

É muito comum ouvir por aí que os diários trazem inúmeros benefícios à vida cotidiana: ajudam contra a ansiedade, preservam a memória, esclarecem sentimentos conturbados, dão destino ao que parece inútil etc. Coisa parecida costuma ser dita sobre a poesia, que, além de fonte de enorme prazer, fornece repertório simbólico, ajuda na interpretação do que parece imapeável, intangível, e que até nos aproxima do Divino.

A lírica de Daniele Gomez encontra um caminho entre ambos, diário e poesia, traço que salta aos olhos quando nos detemos sobre os poemas de “Azul”, livro ainda em fase germinal, que não deixa de pegar também outros percursos – tocando a prosa, a confissão, a canção, o relato – para construir uma narrativa entre fagulhas líricas.

Hoje, no Duras Letras, apresentamos com muita alegria estes seis poemas inéditos de “Azul”, de Daniele Gomez.

ESPELHO

Zonza, um estardalhaço entreabriu meus olhos. A essa hora, já entrava Sol pra cacete pela janela e me deu um mal-estar terrível na cabeça. Entendi, depois de uns poucos segundos, que fora o meu espelho comprido se estilhaçando no chão do quarto. Três horas da tarde (seria uma merda limpar a bagunça). “Um gosto de asfalto na boca.”

Poemas sem título

Faz dois dias que o espelho se quebrou no chão do quarto. Não sei que movimento, ou que vento fez com que se atirasse. Faz dois dias que amontoei seus cacos perto do baú. Mas não catei, sem ânimo. Faz dois dias que estou zonza; desde o estardalhaço, não parei de estar. Começo a culpar aquela ressaca de quarta-feira de cinzas, ou tudo antes dela.
Esta tarde catei, finalmente, os cacos. Já está me dando nos nervos isso dos enjoos e de me doerem as pernas. Pensei que limpar a sujeira me tiraria o mal-estar; que era sem motivo, parecia coisa da minha cabeça. Estou com um pressentimento. Talvez eu atire fora o que restou do espelho.
Este caderno cheio de memória. E aquela parede azul do quarto anterior. E eu estava olhando a parede desbotada do quarto novo e o espelho jogado num canto e estes pássaros de papel preto colados nas paredes. Pingou um pouco mais daquele azul na calcinha. Corri para a toalete, abaixei as calças depois de desabotoá-las. Desceu devagar, denso, da vagina. E o chão, azul.

coloque os fones para ouvir rebel rebel, david bowie

Eu não sei porque, mas gostaria de me sentar no chão do banheiro e escrever infinitamente. Para ler depois. Para lerem qualquer loucura que eu exalo. Colocada aqui, no piso branco, azulejo sujo de azul. Tinha fumado um baseado e acho… pirei na mancha de menstruação, nas gotas. São bastante viscosas e espessas. Tem um certo gosto. Ouvi uma voz amigável me dizer: “Não me lembro de ter comido nada azul na vida.”
Parece ter descoberto o perigo de andar por aí aberta. De poder ser com ele e de me ajudar a carregar meus cacos de uma casa à outra. Ele sacou meus impulsos. Perdeu a paciência com minhas impaciências. “Não me dê atenção, mas obrigado por pensar em mim.”
Estávamos rindo há três minutos atrás, contudo, brigamos explosivamente e o silêncio veio e se derramou. Só aí eu pude enxergar o quanto eu estava fodida por termos virado a noite acordados, cheirando o pó bom do hotel. Cerrei as pálpebras; desabei-corpo e dei voz-fala ao pino.
Pingou! Uma gota de catarro-lágrima na blusa. Funguei um pouco. Ele me olhou pelo reflexo do espelho. Partido. Ela não veio quando eu quis. Achei o meu desejo estúpido pra caralho. Xinguei um palavrão, pra piorar. Eu fodi com a nossa noite de insônia.

SINOPSE de “AZUL”, de Daniele Gomez

D. é uma jovem artista de 22 anos que vive desesperadamente. Considerada cult, suburbana, devassa e sísmica, em sextas-feiras veste-se de roxo como aquela mulher do abismo. Leva um caderno azul e várias canetas, entra e sai como um sopro. Aluga uma kitnet onde tem formigas, facas cegas, um gato sobre o colchão, dois cinzeiros, 45 metros quadrados, privada colada no chuveiro, etc. etc. Azul é o seu dia a dia.

Publicação pela Edições mariposa

Azul ainda não tem data de publicação, mas será publicado pela Edições Mariposa, da editora Bruna Emanuele.

Daniele Gomes (foto de Juliana Moreira)
Bruna Emanuele, editora, artista visual e profissional do texto

A Edições Mariposa é um editorial independente, que oferece serviços de ilustração, preparação/copidesque, copywriter, revisão, revisão de provas, assistência editorial e publicação de projetos autorais de autoras/es independentes. Trabalha sobretudo nos gêneros realease e redação para sites/mídias sociais digitais, perseguindo um exercício ativo de sua crença em uma cultura editorial consciente, politizada, comprometida com a importância de se colocar uma publicação – e, por conseguinte, um discurso – no mundo, entendendo a potência contida nos múltiplos encontros possíveis entre ela e seus leitores.

Sobre a autora

Daniele Gomez nasceu no verão de 1993, em Belo Horizonte, cidade onde vive e atua como redatora e mestre de sarau na iniciativa de jornalismo cultural feminista, Entre a Liberdade e o Paraíso. É formada em Letras, pela Universidade Federal de Minas Gerais, como Bacharel em Estudos Literários. É escritora, multiartista, arte-educadora; integra o coletivo Geração Perdida de Minas Gerais. “Passeios” é seu primeiro livro publicado.

2 Comments

  1. Querido Gabriel, estou emocionada com o carinho deste convite para divulgar poemas do meu segundo livro. Me sinto feliz e mais viva do que nunca.

    Vida longa ao blog Duras Letras!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s